Curso

Parte II- Desígnios e desenhos da imaginação

Voltando ao fio dos mitos e ao sonho que desencadeia os acontecimentos fantasiosos, quer nas lendas, quer narrativas das mais antigas histórias infantis, vamos agora seguir as pistas teóricas e artísticas que os sustentam.

De acordo com a teoria platónica, a imaginação assemelha-se à fantasia, como um fantasma, um simulacro ou uma premonição que aparece à visão.

Segundo as lendas, entre Eros e Tanatos, o sonho permite que o espírito  vagueie por “cegas visões”, ou pesadelos, acompanhando metamorfoses  corpóreas, quando a vigília e a razão deixam de estar atentas.

Dos dormentes nas montanhas e cavas ou belas adormecidas, às digressões nocturnas do Little Nemo, seguiremos, estas mutações em relatos e imagens milenares, até passarem a movimentar-se em tiras de BD ou no cinema.